Animado pela informação de amigos ciclistas de São Paulo de que é possível pedalar sem sobressaltos na cidade, procurei encontrar um ciclista nesta foto de um congestionamento normal de perto de 150 quilômetros.

Confesso que não estava achando até que, com o auxílio de uma lupa, pude divisar um ponto passível de ser identificado como sendo um ciclista.
Dá a impressão de que está de capacete, com colete reflexivo e, além disto, está na mesma mão dos carros, não está contramão. Um pequenino reflexo pode significar que está, também, com espelho retrovisor.Ou seja, um ciclista exemplar.
Se quiserem localizá-lo devem procurar na pista da direita, na segunda fila de carros, comprimido entre dois ônibus. O espaço é muito estreito mas o ciclista parece estar conseguindo avançar.
Poderia esperar para acompanhar o congestionamento mas, por não ser um ciclista inteiramente exemplar, procura esgueirar-se entre os veículos.
Bem, depois disto não sei o que ocorreu.
Ouvi dizer que foi a última vez que foi visto.
Anúncios

Uma resposta to “”

  1. videversocom Says:

    6 comentários:
    Marly disse…
    atualmente eu nào me surpreenderia em encontrar mais que um ciclista em meio ao caos urbanóide, dos grandes centros que, a meu ver não fica só com Sampa City. Estive há duas semanas pela city e lá verifiquei que como se fosse uma febre muitos ciclistas percorrem (solitariamente0 ruas de fluxo intenso como a Avenida Paulista,rua Augusta, Av. Faria Lima, viaduto maria paula e outras mais…. assim como eu paulista moradora de PoA percorro as ruas, avenidas e estradas também solitariamente!
    Att

    19 de maio de 2010 09:40
    Ciclistas Anônimos disse…
    Marly, a crônica é uma espécie de liberdade poética com relação à situação enfrentada por quem quer fazer da bicicleta seu meio de transporte nas médias e grandes cidades. O dado que enfatizas, da solidão do ciclista, é uma das coisas que mais me sensibiliza. Daí, inclusive, a idéia de que somos anônimos e de uma coragem beirando o suicídio.

    19 de maio de 2010 10:31
    Nich disse…
    He he, chequei a abrir a foto em separado para tentar achar o ciclo-wally… Minha Curitiba não é muitop diferente… fora os finais de semana ensolarados nas ciclovias, é só a sarjeta que nos resta. Abraços solid(t)ários 😉

    19 de maio de 2010 12:28
    Olavo Ludwig disse…
    Na verdade quanto maior o congestionamento mais seguro para o ciclistas,pois carros parados não nos atropelam. Por vezes é difícil até achar um espaço para passar com a bicicleta, há que se cuidar muito mais com as motos nesses momentos.

    19 de maio de 2010 12:48
    Ciclistas Anônimos disse…
    Nich, “finais de semana ensolarados nas ciclovias” e “a sarjeta que nos resta” é poesia. Pelo menos da poesia não podemos abrir mão. Obrigado!

    19 de maio de 2010 14:38
    Ciclistas Anônimos disse…
    Olavo,eis uma reflexão interessante. O congestionamento nos favorece! O que temos, assim, é dar um jeito de fazer os carros ficarem parados! Não tinha pensado nisto, quem sabe começamos a esvaziar os pneus dos carros. Guerra é guerra!

    19 de maio de 2010 14:45
    Postar um comentário

    Links para esta postagem
    Criar um link

    Postagem mais antiga Início
    Assinar: Postar comentários (Atom)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: